Boa tarde, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

A Historia


Maio de 1967: nasce a Associação dos Profissionais Metalúrgicos. A história dos trabalhadores do setor metal-mecânico de Brusque começa a ser escrita pela iniciativa de 15 pioneiros: Waldir Siegel, Nicolau Koschnik, Tarcisio Gonçalves de Oliveira, Ademir Félix, Benno Schlindwein, Waldir dos Santos, Walter Nordt, Adalberto Petermann, José Lino de Andrade, Deoclésio Simas, Américo Gustavo de Oliveira, Valdeci José Soares, Francisco Batista, Waldir Borba e João Schoening.

 

Em 1976, com a conquista da Carta Sindical, assinada pelo então ministro do Trabalho, Arnaldo Prieto, a Associação passa a ser Sindicato, iniciando assim, uma história de muitas vitórias e conquistas.

 

Em 1977, assume então a primeira diretoria, com Ademir Félix como presidente; João Daniel Fischer como Secretário Geral; Francisco Knihs como Tesoureiro e seus suplentes: Jorge Hartke, Ademir da Silva e Valério Cadore. O Conselho Fiscal era regido por Hercílio Luiz Petermann, Ivo Geroldo Hasse, Antônio Roberto Klimesck e seus suplentes: Luis Gonzaga Teixeira, Dorval Suavi e Célio Vargas.

 

Hoje, após 50 anos de lutas pelos direitos dos trabalhadores, conquistando espaços e debatendo soluções, fazem parte da Diretoria: José Isaías Vechi como Presidente; Eduardo de Souza como Vice; Edson Rubens Batschauer como Secretário Geral; Adair Bodenmuller e Vilson Cezerino, como 1º e 2º Secretário respectivamente; Henrique Luiz Coelho Filho, como tesoureiro geral e Clóvis Cabral e Silva como 1º tesoureiro. Seus suplentes ficam por conta de Jair Vailati, Jorge Luiz Putsch, Amarildo dos Santos, Sandro Baumgartner, Sandra Regina Marques, Ivonete Maia de Lima e Jaime Germano Cezerino.  O Conselho Fiscal está por conta de Sílvio Torresani, Waldemar Albelino, Virgílio Schwartz e seus suplentes Antônio de Oliveira, Gainette Moratelli e Edson Kistenmarcher. 


Ao longo destes anos, nossa principal bandeira de luta: as convenções coletivas de trabalho, têm mudado a vida dos trabalhadores. São vitórias que multiplicam-se e valorizam a nossa caminhada de lutas. 

 

Entre as conquistas do sindicato junto aos empregadores, fruto das convenções coletivas, podemos lembrar algumas delas como na primeira convenção em 1978, quando foi adotada a data base para fazer valer os acordos das convenções, o acréscimo no cálculo do 13º salário da média anual das horas extras e a estabilidade de 60 dias para as mulheres, após a licença maternidade.

 

Em 1979 conseguimos assegurar o direito de licença aos trabalhadores para participar de encontros, congressos, conferências e simpósios sem desconto na renda ou férias. Em 80, entre outros acordos, foi estabelecido um piso salarial. Aos empregados estudantes foi concedido o direito de falta justificada ao trabalho nos dias de avaliação escolar comprovada, sem desconto salarial. E ainda, as empresas passaram a arcar com 50% dos medicamentos dos trabalhadores, mediante comprovação. Anos depois, mais vitórias nesse sentido.       

 

Em 1981, resultado da convenção coletiva de trabalho, as empresas passaram a distribuir lanche, gratuitamente, aos trabalhadores.

 

Em 1982, as férias são acordadas coletivamente, por período não inferior a 15 dias. Além disso, os trabalhadores passam a receber remuneração extra por produtividade. Em 1986, a conquista foi o subsídio esposa, onde as empresas passaram a pagar um adicional aos trabalhadores casados.

 

Em 1988, ficou acertado na convenção coletiva que além do uniforme de trabalho, os trabalhadores receberiam equipamento de segurança. Foi nesse ano também que os trabalhadores começaram a receber adicional noturno. Àquelas empresas que faziam compensação de horário passaram a ter que servir almoço a seus empregados.

 

Em 1989, o tempo de estabilidade das gestantes, após o término da licença maternidade ampliou de 60 para 90 dias. Foi fixado período de intervalo de 30 minutos para os trabalhadores dos primeiro, segundo e terceiro turnos.

 

A década de 90 também teve muitas conquistas importantes. Nesse período ficou definida uma base para o cálculo de adicional de insalubridade. As empresas passaram a conceder subsídio conjugue, ao empregado casado, extensivo a viúva ou viúvo com dependentes. Foi o período em que empresas auxiliaram seus empregados com gêneros alimentícios de primeira necessidade, o “sacolão”. As despesas do empregado com transporte e alimentação para tratamento de saúde fora da cidade também passou a ser de responsabilidade da empresa. Também foi o momento de conquistar 50% do passe do transporte coletivo.

 

Foi garantida a estabilidade de seis meses ao empregado que reclamasse na Justiça do Trabalho ou fosse testemunha de processo de colegas. As empresas e empregados passaram a celebrar acordos de compensação da jornada de trabalho. Em 1995, os trabalhadores recebem o  maior reajuste real da categoria, alcançando 8% de aumento real. O prêmio assiduidade passa a ser recebido mensalmente. No final da década de 90 começa um trabalho de flexibilização da jornada de trabalho e instituição do banco de horas.

 

Do início do novo milênio até os dias de hoje foram muitas conquistas. A luta intensa por melhores salários, pela ampliação dos benefícios, no incentivo às empresas a reconhecerem o trabalho de seus empregados e melhorarem cada vez mais as condições e pela redução da jornada sem corte salarial. Na convenção coletiva de 2010, mais outra grande conquista, a redução da jornada para 43,5 horas semanais.

 

Enquanto representantes dos trabalhadores, marcamos presença e levamos nossas lutas nas em todas as Marchas à Brasília, no Fórum Nacional do Trabalho, no Fórum Social Mundial, nas discussões pelo piso Estadual de Salário, em Florianópolis, em congressos. E todas às vezes que fomos convocados a participar dos debates para redução da jornada de 40 horas, estivemos lá, representando nossa classe. O aumento do salário mínimo, redução da tabela do Imposto de Renda e luta contra a reforma sindical, a redução da jornada de trabalho são algumas das nossas bandeiras de luta.

 

O resultado de tanto trabalho é que hoje os trabalhadores de Brusque estão entre os que recebem os maiores salários de Santa Catarina. Mas ainda estamos buscando mais!

 

Além disso, com mais de trinta colaboradores, atualmente o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Brusque também oferece serviços relacionados à  Assistência Social – em parceria com o Sindicato Patronal e renomadas empresas da região –, assim como Assistência Jurídica, onde conta com dois advogados contratados para atender e orientar seus associados.

 

Um serviço de saúde de qualidade também é um dos benefícios que o sindicato passou a oferecer. O Plano de Saúde do Sindicato dos Metalúrgicos, foi criado no ano de 1996 com o objetivo de beneficiar seus associados, dependentes menores de 16 anos e esposas que não tenham atividade fora do lar. A iniciativa do sindicato em lutar por um plano de saúde, nasceu devido a carências de vagas para atendimento especializado pelo SUS e levando em conta a demora nas autorizações dos exames. Atualmente os trabalhadores contam com um plano de saúde próprio, exclusivo, A Caixa de Assistência à Saúde dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Brusque - SINTIMMMEB SAÚDE, com registro na ANS sob nº 41985-1, que se caracteriza um Plano Ambulatorial Co-participativo ANS sob nº 474841157. Em 1996 éramos 2.270 sócios e 3.260 dependentes totalizando 5.530 vidas beneficiadas. Com uma média mensal de cerca de 500 consultas em consultório e 150 consultas no pronto socorro, totalizando aproximadamente 650 consultas. Atualmente somos 6.100 associados mais 5.630 dependentes, ou seja 11.730 pessoas beneficiadas. A média mensal de consultas cresceu para 1720 em consultório e 919 em pronto socorro. Um benefício de larga abrangência.

 

O trabalhador associado também tem direito a serviço odontológico. O serviço começou a ser oferecido em 1977, por meio de um convênio com a CASB – Comunidade Assistencial Sindical de Brusque. Em maio de 1981 começamos a oferecer este serviço na antiga nossa sede, na Rua Atílio Battisttoti, também por meio da CASB. Na época, éram oferecidos 35 atendimento diários, com dois dentistas. Mas em 2005 quando a Comunidade Assistencial Sindical de Brusque foi extinta, o sindicato teve o entendimento que era um benefício essencial aos trabalhadores e investiu na área. Hoje contamos com 12 dentistas, com 4 salas de atendimento, que funcionam em três turnos, atendendo diariamente 50 associados. Os serviços disponíveis são Raio X, extração, restauração, endodontia e profilaxia.   

 

Além de proporcionar vantagens em relação à assistência, o Sindicato proporciona também conhecimento em informática, com cursos oferecidos aos associados e seus dependentes a partir de 13 anos. Esse projeto já formou mais de dois mil alunos desde 1998 e vem contando com atualizações e compra de equipamentos para suprir a necessidade de sua demanda.

 

Outro avanço alcançado pela entidade foi a aquisição de um dos maiores locais de concentração de trabalhadores da categoria. A sede inaugurada em na Rua João Bauer, possibilita hoje melhor atendimento e excelência no exercício de suas atividades. Anteriormente nossos atendimentos também eram realizados em sede própria, localizada na Rua Atílio Battistotti, 99. Mas por meio desta nova estrutura, central, conseguimos realizar com eficiência um dos nossos objetivos: aproximar o Sindicato cada vez mais dos trabalhadores e dos benefícios oferecidos aos associados.

 

O Sindicato mostra que vem crescendo e se destacando na cidade também por meio das assembléias dos trabalhadores. Estes espaços são importantes para que os trabalhadores fiquem cientes de seus direitos e para discutir e expandir as lutas da classe.

 

Pensando ainda no bem-estar de seus associados e colaboradores, o Sindicato dispõe de uma Associação Recreativa e de uma Sub-Sede, localizados na Rua Brusque, cidade de Guabiruba. Lá os associados têm um espaço próprio para descontração e momentos de lazer com amigos e família.

 

Os benefícios não param por aí! Em agosto de 2003, o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos em parceria com o Sindicato dos Comerciários, Mestres e Contra-Mestres, Construção Civil e Vestuário, inauguraram a Farmácia dos Trabalhadores, que beneficia mais de 35 mil pessoas.

 

Brusque, hoje com cerca de 105 mil habitantes, abriga dois pólos principais de sustentação da economia na cidade: o têxtil e o metal mecânico, responsabilidade essa que nos coloca entre as dez maiores economias de Santa Catarina, segundo o IBGE.

 

Desde a Fundição Hércules, primeira empresa do ramo metalúrgico, fundada em 1945, Brusque emprega aproximadamente 6 mil profissionais em 325 empresas do ramo.

Rua João Bauer, n° 75 | Centro | Caixa Postal 310 | Fone (47) 3251-5900 | E-mail: sintimeb@terra.com.br

CEP: 88350-101 | Brusque | SC


Copyright 2017 - Todos os direitos reservados a SINTIMMMEB.